Arouca já definiu o preço para a maior ponte suspensa do mundo

Arouca já definiu o preço para a maior ponte suspensa do mundo. A Câmara Municipal de Arouca anunciou hoje que o acesso à estrutura local apontada como a maior ponte suspensa do mundo, devido ao seu vão de 516 metros, vai custar 12 euros por pessoa quando abrir ao público.

Ponte suspensa de Arouca

Essa autarquia do distrito de Aveiro ainda não definiu uma data para inauguração da Ponte 516 Arouca, no que influem sobretudo as contingências atuais relacionadas com a pandemia de covid-19, mas já aprovou a tabela de preços que apresentou esta tarde aos operadores turísticos do concelho.

Margarida Belém, presidente da Câmara Municipal de Arouca, explicou à Lusa a opção pelo valor de 12 euros como preço normal de acesso à Ponte 516: “Enquanto obra de engenharia única, a Ponte 516 Arouca envolve uma experiência exclusiva e singular e, o custo da entrada ajudará a controlar fluxos e a garantir uma visita de qualidade. Estes preços também ajudarão a fazer face aos custos de manutenção previstos e à contratação do pessoal necessário para controlo e realização das visitas”.

Arouca já definiu o preço para a maior ponte suspensa do mundo

Além do bilhete normal a 12 euros, o tarifário da nova construção prevê ingressos a 10 euros para estudantes e maiores de 65 anos, assim como packs familiares. A experiência de travessia da ponte estará vedada a crianças com menos de seis anos, mas para agregados com filhos de idade superior estará assim disponível um pack mais barato de 30 euros, no caso de dois adultos e uma criança, e outro de 40 euros, para casais com dois menores.

Os cidadãos com residência comprovada em Arouca continuarão a ter acesso gratuito à nova estrutura mediante a aquisição de um cartão de morador, como já acontecia com os Passadiços do Paiva. Válido por três anos, esse documento tinha um custo de 2,5 euros, mas passa agora a custar 5 a cada renovação, obrigando sempre a marcação prévia da visita à ponte.

Cria a tua conta gratuita na moderna plataforma de alojamentos e fica a conhecer os descontos nos alojamentos em Arouca

Ainda segundo a autarquia, os bilhetes estarão disponíveis online, como anteriormente, e conferem direito a percorrer os oito quilómetros dos Passadiços do Paiva, até porque a nova ponte é um complemento desse percurso turístico sobre as escarpas do rio. Não há, contudo, ingresso a preço diferente para quem quiser visitar apenas a ponte sem aceder ao restante trajeto.

Inspirada nas pontes incas que atravessavam os vales das montanhas dos Andes, a ponte pedonal “516 Arouca” liga a margem de Canelas à encosta de Alvarenga a 175 metros de altura sobre a secção mais agitada do rio Paiva. A obra resulta de um projeto arquitetónico do ITeCons – Instituto de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico para a Construção, Energia, Ambiente e Sustentabilidade da Universidade de Coimbra, sendo que a empreitada esteve a cargo das empresas Conduril e Outside Works.

A associação ambientalista S.O.S Rio Paiva já manifestou algumas preocupações sobre a abertura da nova ponte, defendendo que o investimento em estruturas turísticas tem que ser acompanhado por medidas de “controlo de espécies invasoras” e por “um forte investimento na eliminação da poluição com origem nas estações de águas residuais a montante” do concelho, nomeadamente nos municípios de “Vila Nova de Paiva e Castro Daire”.

Argumentando que a ponte “pouco vem acrescentar à forma como é usufruído” um troço do território que “sempre foi valorizado por ser um dos mais bem conservados e selvagens do rio Paiva, introduzindo apenas a componente da adrenalina e todo o mediatismo inerente” à obra, a associação apela a que se evitem “os graves problemas que surgiram após a abertura dos Passadiços em 2015” devido ao excessivo fluxo de turistas.

Questionada sobre essas preocupações, Margarida Belém declarou que a construção da ponte “516 Arouca” integra uma estratégia de “dinamização turística e económica que é fundamental para a fixação da população e para a geração de riqueza a nível local”, sobretudo no caso de um “território de interior” como o que está em causa.

A autarca socialista realça, contudo, que a mesma estratégia obedece também a uma missão pedagógica de responsabilidade ambiental e social: “Queremos que quem nos visita se aperceba do património riquíssimo e singular que está a observar, experienciando uma notável obra de engenharia com selo totalmente nacional e, ao mesmo tempo, despertando para a crescente necessidade de preservar a nossa biodiversidade. Queremos continuar a afirmar Arouca como um destino verde, sustentável, com uma oferta de qualidade e diferenciadora”.

A presidente da Câmara afirma que a receita resultante dessa procura turística “tem permitido reforçar a intervenção da autarquia a nível ambiental” e dá dois exemplos: “Temos em implementação um projeto de recuperação da galeria ripícola do Paiva que contempla, entre outras intervenções, a remoção de espécies invasoras. Temos também em curso uma experiência-piloto de serviços de ecossistema, de forma a criar opções de diversificação económica em contexto de gestão florestal sustentável no município”.

Quanto aos focos de poluição com origem noutros concelhos, Margarida Belém observa: “Temos encetado todos os esforços junto das entidades competentes para a resolução desse problema, mas projetos como o da ponte ‘516 Arouca’ revelam-se fundamentais para exercermos maior pressão sobre as autoridades, dada a maior visibilidade que estes recursos turísticos conferem a qualquer ocorrência poluidora”.

FONTE: Visão

Este foi o artigo sobre ” Arouca já definiu o preço para a maior ponte suspensa do mundo”. Veja um dos nossos artigos mais populares, ” Pérola Verde do Gerês”


Gostas de Turismo e Adoras Viajar?

Conhece esta oportunidade de conseguires rentabilizar todas as tuas viagens e as dos teus amigos.

Monta o teu negócio em part-time. Abre a tua agencia de viagens OnLine!

Locais de tirar o fôlego para fazer turismo rural em Portugal


A pandemia da Covid-19 tem gerado um aumento na procura de destinos de férias rurais, para que dessa forma seja possível relaxar com tranquilidade e sem estar rodeado de multidões, mantendo assim o tão recomendado distanciamento social. Fica a conhecer locais de tirar o fôlego para fazer turismo rural em Portugal.

Deixamos aqui 5 sugestões de locais de tirar o fôlego para fazer turismo rural em Portugal. Estás prontos?

Vieira do Minho

Situado no Norte de Portugal, este município é conhecido pelas suas incríveis paisagens de rio e montanha. Visite a Ponte e o Miradouro da Misarela; a Barragem da Caniçada; as pequenas capelas típicas, como a Capela Nossa Senhora da Lapa, erguida numa pedra; e não deixe de espreitar as maravilhas naturais do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Grândola

Relaxe em praias como Tróia, Pêgo, Comporta ou Melides ou explore a bela Serra de Grândola. Aqui pode ainda visitar museus, ermidas e monumentos megalíticos, passear a cavalo na praia e conhecer a barragem natural do Pêgo. 

Évora

Nesta cidade pode encontrar monumentos como o Templo de Diana, a Capela dos Ossos, a Catedral, as muralhas e o pitoresco Centro Histórico. Contudo, se preferir um programa mais sossegado são várias as opções de turismo rural em redor da cidade. 

Tavira

Relaxe neste refúgio algarvio idílico e deixe-se conquistar pelas típicas casinhas brancas, o sol ardente e a praia com um areal a perder de vista. Aproveite ainda para visitar a ilha de Tavira. 

Ilha de São Miguel – Açores

Entregue-se às maravilhas da natureza. Na Ilha de São Miguel irá encontrar várias opções de turismo rural que o vão deixar rendido à paisagem local. Visite as plantações de chá e ananás, as lagoas e cascatas e percorra os trilhos de um esplendor natural simplesmente magnifico. 

” Locais de tirar o fôlego para fazer turismo rural em Portugal “

Veja também o nosso artigo sobre Hotéis em Portugal – https://checkin.com.pt/2020/05/15/va-para-fora-ca-dentro/

Em qual já estiveste?
Conta-nos a tua experiência!


Equipa Checkin

TENDÊNCIAS DE TURISMO EM PORTUGAL

QUAIS VÃO SER AS TENDÊNCIAS DE TURISMO EM PORTUGAL?

O surto pandémico da COVID-19 tem deixado milhares de portugueses  a questionar-se sobre quando será possível voltar a viajar e, mais do que isso, sobre como fazê-lo quando a altura chegar.
Em um Webinar organizado pelo Turismo Centro de Portugal com o tema “A importância do Marketing Digital I COVID-19 – Marta Poggi ” a Check in Férias marcou presença e debateram-se de entre muitos assuntos, qual seria o perfil do futuro Turista e as suas tendências.

Hotéis Rurais

TENDÊNCIAS DE TURISMO EM PORTUGAL

Viajar localmente

As interdições primordialmente impostas a viagens internacionais e o sentimento de potencial insegurança associado a voos e aeroportos fará com que tendencialmente haja uma re-orientação para o turismo interno. Localidades desconhecidas a nível nacional aumentarão provavelmente a exposição a grandes massas, e destinos turísticos como a Costa Alentejana, o Vale do Oeste ou o Interior do país poderão beneficiar com a procura por locais menos frequentados por multidões. Pode reservar uma vasta gama de alojamento rurais aqui na nossa plataforma.

Afastamento

O conceito de privacidade em viagem será tendencialmente muito mais importante do que no período pré-COVID. O receio de proximidade e a vontade de evitar espaços lotados assumirão um papel de relevo. Museus, festivais, espetáculos, bares e discotecas serão previsivelmente afetados de forma significativa por esta nova realidade. Use máscara!

Turismo de natureza

Não será surpresa caso se verifique a orientação de turistas para destinos com uma forte componente natural, na medida em que este tipo de turismo permitirá, por norma, a conciliação do conceito de isolamento social com a descoberta e contacto com a natureza de que milhares de portugueses se encontram privados nas últimas semanas.

Micro-férias

O conceito de micro-férias será também previsivelmente cada vez mais comum. Face à impossibilidade de efetuar viagens de longo curso, geralmente as que assumem maior duração, terá lugar a substituição de uma grande viagem anual por um conjunto maior de pequenas viagens, mais próximas de casa, ao longo do ano.

Road trips

O conceito de road trip irá acentuar o apelo que tem vindo a assumir nos últimos anos junto de franjas variadas da população, na medida em que facilita de forma significativa as quatro tendências acima referidas. De carro, mota, autocaravana ou outros meios, a propensão para partir à descoberta do país com autonomia e flexibilidade máximas tenderá a aumentar no período pós-levantamento das restrições.

À semelhança do artigo escrito anteriormente, o turismo Português está a reajustar todas as medidas de segurança para que o Turista possa voltar a viajar!

Equipa Check In

Férias à vista. Hotéis fora das cidades reabrem em julho

Férias à vista. Hotéis fora das cidades reabrem em julho mas são obrigados a ter selo sanitário

Os primeiros hotéis a abrir serão os das zonas balneares ou do interior do País. Já os hotéis de cidade só deverão voltar a operar em setembro. Férias à vista!

Os números são assustadores para a hotelaria: 80% dos hotéis em Portugal foram obrigados a fechar por falta de faturação e a maioria dos funcionários estão em layoff.

Até agora não havia uma data para o regresso ao trabalho mas esta terça-feira, 21 de abril, opresidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Raul Martins, disse que a maioria dos hotéis poderá começar a reabrir em julho. Além disso, avança que está a ser preparado um selo de garantia para dar confiança aos clientes.

Raul Martins falou à saída de uma reunião com o primeiro-ministro, António Costa, que recebeu os representantes do setor hoteleiro.

Fonte do artigo

À semelhança do artigo que escrevemos anteriormente, esta é uma boa notícia para todos os intervenientes. Tanto turistas, como empresários, e juntos faremos deste vale que passamos, um grande pico! Férias à Vista!

Equipa Check in

Covid-19 “Maio será o mês de reabertura do Turismo”

Covid-19, Maio será o mês de reabertura do Turismo, O turismo vai abrir gradualmente a partir do próximo mês. Esta é a conclusão da reunião entre a Confederação do Turismo de Portugal e o primeiro-ministro, o ministro da Economia e a ministra do Trabalho.

Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), anunciou que o turismo em Portugal prepara-se para ir abrindo gradualmente a partir de maio, “com muita calma e segurança”.

Segundo o Expresso, o responsável anunciou a retoma gradual do turismo logo depois de as principais confederações a nível nacional terem reunido com o primeiro-ministro, António Costa, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, esta quarta-feira.

Há que ser muito criativo neste regresso, provavelmente com as empresas a intercalar horários dos trabalhadores, e no caso da hotelaria não haver as capacidades máximas que eram normalmente utilizadas. É muito importante começarmos já a trabalhar nas formas como podemos ir devagarinho reabrindo a partir de maio, para a economia começar a fluir”, disse o presidente da CTP.

Calheiros sublinhou que o regresso deve ser feito com o pessoal do turismo “de máscara e luvas” e num ambiente de “higienização generalizado em todos os restaurantes, hotéis, e desde que os turistas entram nos aeroportos”.

As crises no turismo

“No turismo já passámos muitas crises, e uma lição que aprendemos é que todas as crises passam, e esta também vai passar, poderá é ser mais demorada”, frisou Francisco Calheiros, adiantando, porém, que vai “demorar a recuperar na totalidade”.

Em relação ao verão, o responsável considera que “está perdido”. “Em agosto e setembro, se abrirem as fronteiras, e com muitos cuidados, podemos pensar na vinda de espanhóis”, refere o presidente da Confederação do Turismo. Sublinhando que, na primeira fase da retoma, a aposta estará no turismo interno, com os portugueses a assumirem uma quota de 30%.

“A seguir a uma crise destas, algumas empresas vão ficar pelo caminho, e claramente não vamos ter o mesmo verão que tivemos no ano passado.”

A proposta do presidente da CTP passa por um “reforço muito grande” nas verbas de promoção. Portugal deve também promover-se como “um destino muito responsável do ponto de vista da higienização. Deve assim dar esta mensagem importante aos turistas: venham a Portugal, porque saberemos como atuar se houver um novo surto desta pandemia”.

Pode ler o Artigo original na ZAP

A equipa Check in acredita que com estas medidas o turismo vai abrir gradualmente de forma segura para todos. No nosso artigo anterior, falamos sobre a forma como os hotéis estão a reinventarem-se nesta nova fase.


Hotéis reinventam-se para receber clientes

Hotéis reinventam-se para receber clientes

Hotéis reinventam-se. Os maiores grupos hoteleiros em Portugal já estão a preparar-se para o momento pós estado de emergência em que poderão, ainda com restrições, abrir novamente as portas aos clientes. O encerramento tem permitido fazer ensaios, estudar regras, criar medidas inovadoras e desenvolver tecnologias que vão facilitar a estadia. E os empresários esperam que esse momento chegue em breve, preferencialmente antes de 15 de maio.

Agora o fator competitivo vai ser a segurança sanitária. Quem conseguir oferecer as melhores condições de segurança, com o mínimo de constrangimentos e o máximo de conforto vai estar na linha da frente para ganhar mercado. O bem receber característico dos portugueses vai passar a ser o receber em segurança.

Ainda não há certezas nem regras pré-definidas mas o tempo de encerramento tem permitido aos hotéis testar soluções para garantir a segurança necessária a clientes e colaboradores, de forma discreta mas assertiva.


Algumas medidas já estavam em curso antes mesmo do encerramento como a higienização com produtos adequados, a existência de gel desinfetante nas portas e junto dos elevadores e os acrílicos nas recepções.

Fonte: RTP Noticias ” Hotéis reinventam-se “

Artigos Recentes

Torre Eiffel Fechada

A Torre Eiffel, em Paris, encerra esta sexta-feira à noite, devido à epidemia do novo coronavírus, tal como aconteceu com outros monumentos turísticos franceses como o Louvre e o palácio de Versailles, foi esta sexta-feira anunciado.

“Devido à epidemia de Covid-19, a Sociedade de Exploração da Torre Eiffel anuncia o encerramento da Torre a partir das 21:00 de hoje [Notes:20:00 em Lisboa] “, refere a empresa, num comunicado hoje divulgado e citado pela Agência France Presse.

A empresa espera “poder reabrir o mais brevemente possível, quando a situação de saúde o permitir”.A administração do Museu do Louvre anunciou hoje que aquele equipamento vai ficar fechado “até nova ordem” devido à pandemia de Covid-19.

“Seguindo as diretivas do governo, o museu mais visitado do mundo fecha na sexta-feira, 13 de março, às 18:00 (17:00 em Lisboa) até nova ordem”, disse a administração do museu em comunicado, acrescentando que duas exposições – “Albrecht Altdorfer” e “De Donatello a Michelangelo ” – foram adiadas.

O Louvre já tinha encerrado no dia 1 de março, porque os trabalhadores invocaram o direito a interromper o trabalho devido à epidemia causada pelo novo coronavírus.

Ao fim de três dias, voltou a abrir, depois de a instituição ter dado garantias aos trabalhadores de medidas de proteção por causa do surto de Covid-19. Hoje volta a fechar portas, por tempo indeterminado.

Disneyland® Paris Encerra

Caros seguidores, clientes, amigos!

A equipa Check-in vem por este meio partilhar a comunicação oficial  enviada por parte da Disneyland® Paris, a propósito do encerramento temporário dos Parques em Paris e respetivos procedimentos a tomar. O parque estará encerrado até 31 de Março.

Reforçamos de que as condições dizem unicamente respeito aos serviços prestados pela Disneyland® Paris, ou seja, excluindo transferes e transporte aéreo, para efeitos de alteração a partir de hoje (alterações efetuadas anteriormente não são retroativas).

Para proceder a estas alterações, devem contactar-nos por email (nossos clientes) ou então o vosso agente de viagens. As mesmas ficarão a aguardar resposta por parte da Disneyland® Paris.

Agradecemos desde já toda a vossa compreensão.

Equipa Check-in

OPERADORES LANÇAM CAMPANHAS DE RESERVAS SEM CUSTOS PARA INCENTIVAR PORTUGUESES A VIAJAR

Segundo o jornal online de turismo Publituris, a propagação do vírus Covid-19 um pouco por todo o mundo, incluindo Portugal, tem inibido os portugueses a efetuarem as suas reservas de férias, como seria habitual  nesta altura do ano. Para incentivar os turistas portugueses a pensarem e reservarem as suas férias sem constrangimentos de penalizações em caso de cancelamento, os operadores turísticos estão a dinamizar várias campanhas que visam facilitar este processo aos portugueses.


Jolidey tem a decorrer a campanha “Março sem gastos”, onde garantem as reservas com 0€ de prejuízo até 15 dias antes da partida para destinos como República Dominicana, Riviera Maya, Jamaica e Cuba em reservas efetuadas até 31 de março para viagens com saída até 31 de outubro. No caso do cancelamento da reserva, o operador turístico não cobrará os gastos até 15 dias antes da partida,com exceção nas reservas de grupo.
Também a Travelplan está a dinamizar a campanha “Reserve sem gastos em Março”, através da qual as reservas para viagens no operador são garantidas a 0€ até 15 dias antes da partida, para saídas até 31 de outubro para destinos como Saïdia, República Dominicana e México.
Apesar de não se realizar a BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa neste mês de março, a Soltrópico mantém a campanha Escaldão, na qual as reservas até 31 de março incluem gratuitamente o seguro de cancelamento antecipado do operador e interrupção da viagem com inclusão de riscos, cataclismos naturais, terrorismo, guerra e epidemias (PVFM). Para os produtos em voos charter, o operador indica que as reservas efetuadas até 31 de março têm novas condições de cancelamento. Até 72 horas após a data da reserva e a mais de 30 dias da data de partida, o cancelamento não tem qualquer tipo de despesas para o cliente. Ainda até 72 horas da data da reserva e entre 29 e 15 dias antes da partida, serão cobrados 20€. Após 72 horas da data da reserva e a mais de 30 dias para a data da partida da viagem, serão cobrados 50€ em despesas de cancelamento por pessoa. Também após 72 horas da data de reserva e a mais de 30 dias e a mais de 15 dias da data da partida, as despesas serão de 50% do valor da viagem. Após 72 horas da reserva e já a menos de 14 dias da viagem, serão cobrados 100% do total da viagem.

Para efetuar alguma destas reservas pode visitar a nossa página de Facebook ou enviar email para [email protected] e procedemos a um acompanhamento personalizado da sua reserva.